Home Agendamento Equipe Especialidades Exames Artigos Contato Centro Clínico Castelo | Rua Prof. Jorge Hennings 631 | Jardim Chapadão | Campinas - SP | (19) 3242-1919 | (19) 3212-1513

DISPEPSIA

Dr. Stéfano Gonçalves Jorge CRM-SP 88.173     Chamamos de dispepsia os sintomas relacionados ao abdome superior, comumente chamados de "indigestão". Esses sintomas são vários, incluindo dor, eructação (arrotos), empachamento, peso, pirose (queimação), náusea ou saciedade precoce.    Freqüentemente, as pessoas confundem os sintomas acima com gastrite. Gastrite é uma inflamação no estômago, que pode ou não  causar esses sintomas. Do mesmo modo, nem sempre a dispepsia está associada a gastrite.    Estima-se que 25% de todos os adultos tenham sintomas dispépticos ao menos alguns dias por ano e a maioria desses terão esses sintomas ocasionalmente por toda a vida. Cerca de 7% das consultas médicas são feitas por dispepsia e mais da metade das consultas com gastroenterologista.    Cerca de 50% das endoscopias realizadas por dispepsia não encontra qualquer anormalidade e são classificados como portadores  de dispepsia funcional. Mesmo com a endoscopia normal, isso não significa que não exista uma alteração. As dispepsias funcionais  abrangem um grupo complexo da anormalidades na contração gástrica, refluxo sem erosões, alterações na sensibilidade, lesões por  medicamentos (anti-inflamatórios, antibióticos), dieta (álcool, café), diabetes e outras. Úlceras pépticas são encontradas em cerca de  20% e esofagite de refluxo em 15-20% das endoscopias.    Outra confusão freqüente ocorre entre dispepsia e ansiedade. Um diagnóstico completamente errôneo e que costuma ser dado é o  de "gastrite nervosa". Ansiedade, stress e depressão aumentam ou fazem surgir sintomas causados por doenças pépticas (úlceras,  gastrite, refluxo gastroesofágico) ou participar do processo de dispepsia  funcional. A ansiedade leva a alterações da contração  gástrica, aumento na secreção de ácido e na sensibilidade do estômago à dor. Portanto, o "nervosismo" faz surgir ou piorar os  sintomas decorrentes de uma gastrite, mas não provocá-la. Do mesmo modo, os mesmos sintomas podem existir sem a gastrite.    Pelos sintomas, é quase impossível distinguir entre as causas de dispepsia funcional. O mais importante é observar os "sinais de  alarme", que não significam necessariamente uma doença grave, mas é nessas pessoas que o risco é maior de se encontrar uma  doença que necessite diagnóstico e tratamento urgentes, como câncer ou úlceras com complicações.    A endoscopia digestiva alta continua sendo o método de escolha para investigação das dispepsias, uma vez que é altamente preciso  no diagnóstico da maioria das causas, é bem tolerado, seguro e, no Brasil, de baixo custo. Exames radiológicos contrastados, apesar  de mais baratos, são pouco precisos. A ecografia pode ser utilizada para a investigação de doenças pancreato-biliares, assim como a  tomografia computadorizada.    A decisão de se investigar ou não a dispepsia depende de diversos fatores, como a facilidade e o interesse do paciente de ser  submetido a exames. De um modo geral, é possível fazer um tratamento empírico (sem o diagnóstico) na maioria dos casos, desde que essa pessoa não tenha os sinais de alarme acima, que tornam a investigação obrigatória.